terça-feira, abril 18

Arejo…

O Aragem vestiu uma roupagem primaveril. É um novo ciclo que se abre e que assinala uma nova transição. Não estou certo que o Inverno do pessimismo e das nuvens densas carregadas de artimanhas e perversão tenha terminado. Sei apenas que a minha vontade reclama uma Primavera com claridade, transparência e verticalidade.

Adenda: O anterior template causou alguns embaraços à Isabel. Não foi com a onda…
Espero que se deixe embarcar nesta nova aragem.

6 comentários:

IC disse...

:))
Vim cá num saltinho para ver se já via a imagem... ó Miguel, eu acabaria por ir com a onda, mas gosto muito assim.

Como continuo com mais uns dias de abstenção de comentários sobre a coisa educativa (coisa que, aliás, sugiro que passe pouco por esta Aragem, senão não arejamos [riso]), apenas sublinho "uma Primavera com claridade, transparência e verticalidade."

AnaCristina disse...

(É só a minha opinião!) Gosto muito deste novo template, e de facto parece-me mais arejado...

Saudações Primaveris!

3za disse...

Pois eu cá, com onda ou sem onda... gosto mesmo é deste azul liiiiberto e vasto (no meu monitor com "supé resolução" é um céu iiiiiimenso de cada vez que aqui venho!)
Liiiindo!
Inspiiiiirador! Arejadíííííssiiiiimo!
(Está a apetecer-me pontos nos iiiiiiiiis... mas, Isabel, já viste que não é com a coisa educatiiiiiva. Aquiiiii não!)
Venha a Priiiiiiimavera!

Miguel Pinto disse...

Não será por falta de transpiração [=esforço] que a inspiração se ausenta. Crio o ambiente mas… fogem-me as palavras com sentido :(
Melhores dias virão…

IC disse...

Ó Miguel, se eu não estivesse sem tempo para colaborar até à próxima semana, propunha uma 2ª série de "escrita desgarrada", agora com cada um a pôr um post só com palavras sem sentido - mas, atenção, o post teria que fazer sentido!
Lá tá ela a provocar/desafiar, vais dizer! E eu já me estou a dizer: Ai!!! Em que "alhada" me estou a meter, sinto-me na obrigação de, para a semana, tentar...
(Isabel foje, aflita)

Teresa Lopes disse...

Eu também vou nessa da claridade, da transparência e da verticalidade. Sempre. Agora mais do que nunca. Amanhã. Preciso.
(Gostei da nova aragem. Parabéns pelo trabalho.)