sexta-feira, julho 25

Recuperar a esperança perdida


Começar por Londres acho que foi uma boa ideia.
As flores não são de plástico e o ambiente é outra coisa.
Aqui deves ouvir falar todas as línguas do mundo, o que te faz sentir em casa!

Depois aquele deitar na relva como não há em Portugal!
Será que posso?!
Podes sempre!

Um beijão grande para todos vós!
From London.

sábado, julho 19

Ser Professor...



É vê-los crescer...
no talento
na imaginação
na curiosidade
no saber.
E crescer com eles.
É vê-los sentir...
a dor
a frustração
o desânimo
o medo.
E sentir com eles.
É vê-los viver...
a amizade
a tranquilidade
a alegria
o riso.
E viver com eles.
É,
todos os dias,
acreditar no sonho.
No sonho deles.
No nosso sonho.

terça-feira, julho 15

Esperança inteira...

Espera com paciência que o dia um dia vai chegar

Sempre chega o dia de inundar de luz o escuro

Porque não há passado nem presente sem futuro

Espera, mas não apenas... faz o dia acontecer um dia que há-de vir

Revolta-te, grita, empurra, não cales, não te deixes adormecer

A luz só vem se formos muitos a puxar e a querer

Não há caminho feito, só estrada para construir

Ç com cedilha entrelaçando esperança no verbo alcançar

As coisas verdes para acontecerem têm de se semear...

O que sei...

Que há noite.
Que há madrugada.
Que há manhã.

Que não há noite que sempre dure.

E que sem esperança é impossível ser professor.
Difícil, o tempo. As circunstâncias.
Até a con vivência, nas esquinas feridas.

Mas creio que não há outro caminho
para quem não desistiu de 'inventar dias mais claros'.

Mesmo na diferença e na controvérsia
(desde que o respeito do outro seja salvaguardado).

Por isso, esta semente.
(que também sabe que tem de morrer).

segunda-feira, julho 14

Meias-palavras com esperança

"O pensamento visita as circunstâncias, em vez de a mente viver o inferno delas."

Michel Serres


(imagem retirada daqui)

(Quase) Tempo de Férias

Aproximam-se as férias. Para muitos professores, não será fácil pensá-las confiantemente como tempo de levantar o ânimo, tempo de recuperar a confiança, tempo de recriar a esperança. O prazer de educar e ensinar e a crença na luta por uma escola pública de qualidade foram demasiado abalados.


Mas os tempos estão em constante mudança, é preciso que as vontades não aceitem desistência.


Aqui fica uma sugestão: Que cada confrade (e outros) deixe, neste espaço de aragem leve e fresca, o seu grãozinho de esperança, com sabor a férias, mas também com cheirinho a reconstrução da colaboração e da resistência que muita força podem ter se os professores quiserem.

quarta-feira, julho 2

Estamos contigo, Idalina

Estamos contigo, Idalina, num abraço muito sentido.