terça-feira, fevereiro 15

Até breve…

Interrompo aqui esta minha aragem.
A manifesta incapacidade de manter o blogue actualizado forçou a minha decisão. A vossa presença com ou sem comentários, caros companheiros de viagem, foi gratificante.

[Se ainda não perderam a paciência, manterei a minha presença diária no outro lado, no outrOOlhar.]

sexta-feira, fevereiro 11

Bom fim-de-semana.


O destino escolhido!

Regresso ao passado…

… em Penafiel. Drulovic originou revolução no departamento juvenil.

A decisão de convidar o ex-jogador de futebol é baseada numa crença: um bom doente congrega os requisitos para se tornar num bom médico.

O dirigismo está a definhar!

segunda-feira, fevereiro 7

Busílis da mudança, quem és tu?

O cerne da mudança encontra-se na capacidade das escolas e dos seus próprios actores promoverem a sua própria transformação.

domingo, fevereiro 6

4R - Quarta República

O Dr. David Justino tem um blog. Espero que agora, na qualidade de blogger, esmere o seu desempenho.

sexta-feira, fevereiro 4

quarta-feira, fevereiro 2

Um caso do dia…

Trabalho desde o início do ano com um grupo de alunos com necessidades educativas especiais. A indispensabilidade deste palavrão - “necessidades educativas especiais” – confirma uma ideia universal: a escola tem alunos mais especiais do que outros. Também pode significar que a escola reconhece as diferenças discriminando, mesmo que positivamente, alguns alunos.
Afastando-me da discussão de natureza conceptual, retorno ao ponto de partida. Os alunos que desenvolvem comigo um projecto de trabalho são alunos com comportamento desviantes nas actividades curriculares. Por via disso, alguns já foram excluídos do sistema de ensino enquanto que outros se encontram na eminência de lhes seguir o exemplo. Mais do que um conflito de irmãos, que vivem em casas separadas, com pais que raramente se encontram, e onde não existem referenciais familiares, a troca de insultos e as tentativas de agressão física revelou uma das maiores fragilidades da escola actual: a falta de meios para lidar com a diversidade dos conflitos sociais.

terça-feira, fevereiro 1

Desabafos!

A propósito desta ocorrência relatada pelo Manuel, há questões que não podem ficar eternamente sem resposta. Os esforços da escola serão infrutíferos nos problemas associados ao abandono escolar e ao desencanto dos alunos pela escola enquanto as famílias não se envolverem activamente nesta batalha. No caso das famílias desintegradas, o estado deve ser ou não solidário? Onde começa e acaba a responsabilidade da família pela educação dos mais novos? Não creio que esta conversa se afaste das “velhas” questões ideológicas. O que é que se pode esperar do Estado?
E para questões deste tipo não me venham falar de um estado magro!